Prefácio

Blogue dedicado ao surrealismo, com particular destaque para o movimento literário português.

O Surrealismo foi um movimento artístico e literário surgido primariamente em Paris dos anos 20, inserido no contexto das vanguardas que viriam a definir o modernismo, reunindo artistas anteriormente ligados ao Dadaísmo e posteriormente expandido para outros países. Fortemente influenciado pelas teorias psicanalíticas de Sigmund Freud (1856-1939), o surrealismo enfatiza o papel do inconsciente na actividade criativa. Os seus representantes mais conhecidos são Max Ernst, René Magritte e Salvador Dalí no campo das artes plásticas, André Breton na literatura e Luis Buñuel no cinema.

Histórico

Escreva!

Tem alguma coisa a dizer? tem algum poema ou texto surrealista que queira mandar? Não se acanhe, entre em contacto!

ricardopvalente (arroba) gmail.com

O Grupo Literário do Algarve

Photobucket
Outros Poetas de quem gostamos: Almeida Garrett, Alexandre Herculano, Camilo Castelo Branco, Soares dos Passos, João de Deus, Antero de Quental, Gomes Leal, Guerra Junqueiro, Cesário Verde, António Nobre, Camilo Pessanha, Ângelo de Lima, Augusto Gil, Teixeira de Pascoaes, António Corrêa d'Oliveira, Ricardo Reis, Fernando Pessoa, Alberto Caeiro, Álvaro de Campos, Mário de Sá-Carneiro, José de Almada Negreiros, Américo Durão, Florbela Espanca, António Botto, Edmundo Bettencourt, José Gomes Ferreira, Vitorino Nemésio, José Régio, Saúl Dias, Pedro Homem de Mello, António Gedeão, Adolfo Casais Monteiro, Ruy Cinatti, Sophia de Mello Breyner Andresen, Jorge de Sena, Sidónio Muralha, Raul de Carvalho, Carlos de Oliveira, Egito Gonçalves, Natália Correia, Alexandre Pinheiro Torres, António Ramos Rosa, Eugénio de Andrade, Alexandre O'Neill, Daniel Filipe, Victor Matos e Sá, António Maria Lisboa, Fernando Guimarães, Fernando Echevarría, Isabel Meyrelles, Albano Martins, Eugénio Lisboa, E. M. de Melo e Castro, Cristóvam Pavia, António Osório, Ruy Belo, Pedro Tamen, Manuel Alegre, Alberto Pimenta, Fernando Assis Pacheco, Maria Teresa Horta, Armando Silva Carvalho, Fiama Hasse Pais Brandão, Luiza Neto Jorge, Sebastião Alba, Gastão Cruz, Inês Lourenço, Vasco Graça Moura, Manuel António Pina, José Alberto de Oliveira, Al Berto, José Agostinho Baptista, Eduardo Pitta, Nuno Júdice, Luís Filipe Castro Mendes, Rosa Alice Branco, Carlos Poças Falcão, Carlos Saraiva Pinto, Ana Luísa Amaral, Luís Miguel Nava, Jorge de Sousa Braga, Luís Adriano Carlos, Maria do Rosário Pedreira, Adília Lopes, Daniel Maia-Pinto Rodrigues, Fernando Pinto do Amaral, Francisco Duarte Mangas, Francisco José Viegas, José Tolentino Mendonça, João Luís Barreto Guimarães, Jorge Melícias, Daniel Faria, Beatriz Reina, valter hugo mãe, José Mário Silva, Pedro Mexia, Joaquim Cardoso Dias, José Luís Peixoto, Jorge Reis-Sá e Pedro Sena-Lino.

olho o velho sentado na réstia do sol

Olho o velho sentado na réstia do sol
cheiro a tinta do jornal
leio as notícias que me não interessam
tiro os óculos
e levanto a cabeça


O velho ajeita o chapéu
e com a mão indica-me o lugar
“Está livre” diz-me ele com um sorriso
e eu agradeço
sem saber o que fazer
sento-me na réstia de sol
a baloiçar a vida.


Henrique Risques Pereira, in transparência do tempo, quasi


Henrique Risques Pereira nasceu em Lisboa em 1930. Companheiro de tertúlia de António Maria Lisboa e de Fernando Alves dos Santos entra em contacto com o grupo de “Os Surrealistas” através de Pedro Oom, e participa em 1949 nas suas actividades. Desaparecido do horizonte artístico e literário português durante anos, a sua obra está representada nas antologias realizadas por Mário Cesariny, ocupa um lugar destacado na que organizaram Alfredo Margarido e Carlos Eurico da Costa com o título Doze Jovens Poetas Portugueses e reaparece posteriormente na antologia You Are Welcome to Elsinor (reeditada com o título A Única Real TradiçãoViva) de Perfecto E. Cuadrado, a quem entregaria posteriormente cópia dos seus poemas inéditos que atestam a sua permanente e quase oculta ou clandestina devoção e dedicação poéticas. O único livro de poemas de Henrique Risques Pereira tem o título Un Gato Partió A La Aventura, pequena antologia da responsabilidade de Perfecto E. Cuadrado editado em Espanha na colecção La Estrpe de Los Argonautas. Transparência do Tempo, mais uma vez pela mão de Perfecto E. Cuadrado, reúne toda a sua poesia, quase toda inédita até hoje. Surge por ocasião da primeira individual da sua obra plástica, a ocorrer na Fundação Cupertino de Miranda em Vila Nova de Famalicão.

10 comentários:

Sílvia disse...

Passei por aqui em jeito de "(...)baloiçar a vida." e gostei do seu blog dedicado ao Surrealismo. Gosto dos "ismos"...eles rompem com a ordem estabelecida, com o marasmo, dão vida, são ousados, sujeitam-se à crítica, adquirem nome através dela. São corajosos!

Os meus humildes parabéns, será um recurso a ter em consideração aquando das minhas aulas de História das Artes.

Inês Leitão disse...

Gostava de ter nascido homem apenas para que Mário Cesariny se apaixonasse por mim.

(para todos os efeitos nada disto ficou escrito) :)

cheers

Inês L.

Táxi Pluvioso disse...

Black sun pela certa!

lena disse...

que posso dizer quando entro e encontro poesia que gosto, acompanho e leio o poeta?


agradeço e partilho outro dos poemas de Henrique Risques Pereira

De súbito
Uma saudade dentro de mim
De súbito
Um baque no peito
De súbito
Suave a tua mão

Esquece que há trevas e morte
Esquece que há o verso antigo
Esquece a palavra negra e oculta.

Há quem ainda procure
Há quem ainda sonhe
Há quem ainda acredite
Em ti.

Henrique Risques Pereira
Transparência do Tempo

fico a deliciar-me com o momento sentada "na réstia de sol"

um abraço

lena

van disse...

imagem bonita e serena :)

Pedro disse...

Gostei de encontrar este blogue.

CLP disse...

Parabéns pela iniciativa e pelo blogue!

Natália Nunes disse...

A temática do seu blog é bem original, gostei :)


Obrigada pela visita e pelo elogio.


Abraço.

Paulo Afonso Ramos disse...

Um blogue em grande!
Parabéns pela capacidade
Abraço

Vieira Calado disse...

É bom divulgar estes autores.
Para que não se penso só nos que toda a gente conhece.