Prefácio

Blogue dedicado ao surrealismo, com particular destaque para o movimento literário português.

O Surrealismo foi um movimento artístico e literário surgido primariamente em Paris dos anos 20, inserido no contexto das vanguardas que viriam a definir o modernismo, reunindo artistas anteriormente ligados ao Dadaísmo e posteriormente expandido para outros países. Fortemente influenciado pelas teorias psicanalíticas de Sigmund Freud (1856-1939), o surrealismo enfatiza o papel do inconsciente na actividade criativa. Os seus representantes mais conhecidos são Max Ernst, René Magritte e Salvador Dalí no campo das artes plásticas, André Breton na literatura e Luis Buñuel no cinema.

Histórico

Escreva!

Tem alguma coisa a dizer? tem algum poema ou texto surrealista que queira mandar? Não se acanhe, entre em contacto!

ricardopvalente (arroba) gmail.com

O Grupo Literário do Algarve

Photobucket
Outros Poetas de quem gostamos: Almeida Garrett, Alexandre Herculano, Camilo Castelo Branco, Soares dos Passos, João de Deus, Antero de Quental, Gomes Leal, Guerra Junqueiro, Cesário Verde, António Nobre, Camilo Pessanha, Ângelo de Lima, Augusto Gil, Teixeira de Pascoaes, António Corrêa d'Oliveira, Ricardo Reis, Fernando Pessoa, Alberto Caeiro, Álvaro de Campos, Mário de Sá-Carneiro, José de Almada Negreiros, Américo Durão, Florbela Espanca, António Botto, Edmundo Bettencourt, José Gomes Ferreira, Vitorino Nemésio, José Régio, Saúl Dias, Pedro Homem de Mello, António Gedeão, Adolfo Casais Monteiro, Ruy Cinatti, Sophia de Mello Breyner Andresen, Jorge de Sena, Sidónio Muralha, Raul de Carvalho, Carlos de Oliveira, Egito Gonçalves, Natália Correia, Alexandre Pinheiro Torres, António Ramos Rosa, Eugénio de Andrade, Alexandre O'Neill, Daniel Filipe, Victor Matos e Sá, António Maria Lisboa, Fernando Guimarães, Fernando Echevarría, Isabel Meyrelles, Albano Martins, Eugénio Lisboa, E. M. de Melo e Castro, Cristóvam Pavia, António Osório, Ruy Belo, Pedro Tamen, Manuel Alegre, Alberto Pimenta, Fernando Assis Pacheco, Maria Teresa Horta, Armando Silva Carvalho, Fiama Hasse Pais Brandão, Luiza Neto Jorge, Sebastião Alba, Gastão Cruz, Inês Lourenço, Vasco Graça Moura, Manuel António Pina, José Alberto de Oliveira, Al Berto, José Agostinho Baptista, Eduardo Pitta, Nuno Júdice, Luís Filipe Castro Mendes, Rosa Alice Branco, Carlos Poças Falcão, Carlos Saraiva Pinto, Ana Luísa Amaral, Luís Miguel Nava, Jorge de Sousa Braga, Luís Adriano Carlos, Maria do Rosário Pedreira, Adília Lopes, Daniel Maia-Pinto Rodrigues, Fernando Pinto do Amaral, Francisco Duarte Mangas, Francisco José Viegas, José Tolentino Mendonça, João Luís Barreto Guimarães, Jorge Melícias, Daniel Faria, Beatriz Reina, valter hugo mãe, José Mário Silva, Pedro Mexia, Joaquim Cardoso Dias, José Luís Peixoto, Jorge Reis-Sá e Pedro Sena-Lino.

guerrilha urbana

.
(Berlim Leste, 1975)

A altas horas da noite está o centro da cidade
fortemente iluminado como uma sala de interrogatório.
Venho de Greifswalderstrasse.
Nem vivalma. Então algo se ouve subitamente
como se umas botas vazias de borracha
corressem sobre a relva.
Do canteiro erguem-se longas orelhas.
Um coelho salta-nos à frente! Mais um!
E mais um! Um bando de agitadores!
Tropel atrevido, tarados sexuais de olhos congestionados
saltitando como num passe de mágica
tirados das almas adormecidas dos funcionários.
Todas as noites aparecem à luz
sorrindo com desdém de tudo o que lhes mete medo.


Lasse Söderberg, poeta surrealista sueco

7 comentários:

Luís Graça disse...

Este senhor sueco tive eu o prazer de conhecer na sequência dos encontros poéticos "Primavera em Lisboa", uma organização conjunta da Câmara de Lisboa com o Pen Club, com epicentro na Casa Fernando Pessoa.

Já lá vão uns anos, mas lembro-me muito bem dele. Jantámos juntos, numa mesa de umas oito pessoas, no último piso do Hotel Mundial, depois da sessão final, em que participavam muitos poetas portugueses, a convite da Casa Fernando Pessoa.

É um provocador bem humorado, a dar um enorme colorido ao jantar. A mais silenciosa foi Teresa Rita Lopes. Os outros provocavam a poetisa russa, que se deixava 'enrolar' e respondia às mais variadas provocações (geralmente sobre o momento político de então na Rússia).

O tunisino Mohamed Bennis declamava poesia em árabe. Ninguém percebia nada, claro. Mas todos gostavam ,porque era como se fosse uma voz embrulhada num vento do deserto.

Que bela semana, nessa edição do Primavera em Lisboa. Que belo jantar!

Filomena Barata disse...

Finalmente consegui entrar neste "surreal" lugar, depois de várias tentativas e um computador sempre a cranchar...
E cá ficam umas palavras do Mário Cesariny, já que não consigo transcrever as que dedicou a Arpad Szenes e Vieira da Silva (na exposição do Museu da Electricidade):

Queria de ti um país de bondade e de bruma
queria de ti o mar de uma rosa de espuma.

M.C. Manual de Prestidigitação

maria disse...

vim agradecer a visita. farei um link para este espaço de enorme interesse. obrigada

lena disse...

entrar aqui é querer ler mais e mais

magnifico este espaço. onde se sorve o que é bom


lembrei-me e deixo:


O DESCONHECIDO

Por que penso em anjos,
Porquê em assassinos?
Armo-me acaso contra eles
com esta rosa de papel sem perfume?

Um homem parece acenar-
medo outro lado da rua.
Está vestido de negro
como sombra de si próprio.

Será anjo ou assassino?
Cheira a sangue ou a cinzas?
Na dúvida atravesso a rua
procurando-o com o olhar.

Às vezes gostava de viver
esquecido de todos, menos dos fantasmas.
O desconhecido desapareceu
e nesse mesmo lugar deponho a rosa de papel.


Lasse Söderberg
Em voz alta


e fica o meu abraço

lena

van disse...

é sueco! :D q bom gosto!

pedroludgero disse...

Publiquei, no meu blogue, um post sobre Benjamin Péret. Gostaria que o visitantes deste espaço passassem por lá.

Abraço,

lupussignatus disse...

luz

(que)

cega