Prefácio

Blogue dedicado ao surrealismo, com particular destaque para o movimento literário português.

O Surrealismo foi um movimento artístico e literário surgido primariamente em Paris dos anos 20, inserido no contexto das vanguardas que viriam a definir o modernismo, reunindo artistas anteriormente ligados ao Dadaísmo e posteriormente expandido para outros países. Fortemente influenciado pelas teorias psicanalíticas de Sigmund Freud (1856-1939), o surrealismo enfatiza o papel do inconsciente na actividade criativa. Os seus representantes mais conhecidos são Max Ernst, René Magritte e Salvador Dalí no campo das artes plásticas, André Breton na literatura e Luis Buñuel no cinema.

Histórico

Escreva!

Tem alguma coisa a dizer? tem algum poema ou texto surrealista que queira mandar? Não se acanhe, entre em contacto!

ricardopvalente (arroba) gmail.com

O Grupo Literário do Algarve

Photobucket
Outros Poetas de quem gostamos: Almeida Garrett, Alexandre Herculano, Camilo Castelo Branco, Soares dos Passos, João de Deus, Antero de Quental, Gomes Leal, Guerra Junqueiro, Cesário Verde, António Nobre, Camilo Pessanha, Ângelo de Lima, Augusto Gil, Teixeira de Pascoaes, António Corrêa d'Oliveira, Ricardo Reis, Fernando Pessoa, Alberto Caeiro, Álvaro de Campos, Mário de Sá-Carneiro, José de Almada Negreiros, Américo Durão, Florbela Espanca, António Botto, Edmundo Bettencourt, José Gomes Ferreira, Vitorino Nemésio, José Régio, Saúl Dias, Pedro Homem de Mello, António Gedeão, Adolfo Casais Monteiro, Ruy Cinatti, Sophia de Mello Breyner Andresen, Jorge de Sena, Sidónio Muralha, Raul de Carvalho, Carlos de Oliveira, Egito Gonçalves, Natália Correia, Alexandre Pinheiro Torres, António Ramos Rosa, Eugénio de Andrade, Alexandre O'Neill, Daniel Filipe, Victor Matos e Sá, António Maria Lisboa, Fernando Guimarães, Fernando Echevarría, Isabel Meyrelles, Albano Martins, Eugénio Lisboa, E. M. de Melo e Castro, Cristóvam Pavia, António Osório, Ruy Belo, Pedro Tamen, Manuel Alegre, Alberto Pimenta, Fernando Assis Pacheco, Maria Teresa Horta, Armando Silva Carvalho, Fiama Hasse Pais Brandão, Luiza Neto Jorge, Sebastião Alba, Gastão Cruz, Inês Lourenço, Vasco Graça Moura, Manuel António Pina, José Alberto de Oliveira, Al Berto, José Agostinho Baptista, Eduardo Pitta, Nuno Júdice, Luís Filipe Castro Mendes, Rosa Alice Branco, Carlos Poças Falcão, Carlos Saraiva Pinto, Ana Luísa Amaral, Luís Miguel Nava, Jorge de Sousa Braga, Luís Adriano Carlos, Maria do Rosário Pedreira, Adília Lopes, Daniel Maia-Pinto Rodrigues, Fernando Pinto do Amaral, Francisco Duarte Mangas, Francisco José Viegas, José Tolentino Mendonça, João Luís Barreto Guimarães, Jorge Melícias, Daniel Faria, Beatriz Reina, valter hugo mãe, José Mário Silva, Pedro Mexia, Joaquim Cardoso Dias, José Luís Peixoto, Jorge Reis-Sá e Pedro Sena-Lino.

na estrada de san romano


A poesia como o amor faz-se na cama

Os seus lençóis desfeitos são a aurora das coisas

A poesia faz-se nas matas

Tem todo o espaço de que precisa

Não este mas o outro condicionado por

O olho do milhafre

O orvalho sobre a cavalinha

A lembrança de Traminer embaciada em bandeja de prata

Uma alta vara de turmalina sobre o mar

E a estrada da aventura mental

Que sobe a prumo

Pára e fica logo coberta de mato

Isto não se apregoa aos quatro ventos

Não é conveniente deixar a porta aberta

Ou chamar testemunhas

Os cardumes de peixes os bandos de melharucos

Os carris à entrada duma grande estação

As luzes das duas margens

Os sulcos do pão

A espuma da ribeira

Os dias do calendário

O hipericão

Acto de amor e acto de poesia

São incompatíveis

Com a leitura do jornal em voz alta

O sentido do raio de sol

O clarão azul que liga as machadadas do lenhador

O fio do papagaio de papel em forma de coração ou de laço

O batimento ritmado da cauda dos castores

A diligência do relâmpago

O arremesso de confeitos do alto de velhas escadas

A avalanche

A câmara dos sortilégios

Não cavalheiros não é a oitava Câmara

Nem os vapores da camarata ao domingo à noite

Os passos de dança transparentes por cima dos mares

A demarcação na parede dum corpo de mulher ao lançar de punhais

As claras volutas do fumo

Os anéis do teu cabelo

A curva da esponja das Filipinas

Os nós da serpente vermelha

A entrada da hera nas ruínas

Tem todo o tempo à sua frente

O abraço poético como o abraço carnal

Enquanto dura

Impede toda a fugida sobre a miséria do mundo



andré breton

1 comentários:

Sílvia disse...

"Acto de amor e acto de poesia

São incompatíveis

Com a leitura do jornal em voz

alta", concordo perfeitamente!